au pair

Alice da AuPair.com está compartilhando sua história de ser uma Au Pair na Irlanda durante dez meses

por Alice EbertTempo de leitura: 8 min.
A experiência de Alice como Au Pair na Irlanda
Meu nome é Alice e trabalho como Gerente de Marketing na AuPair.com. Há oito anos, tive muita sorte de poder passar alguns meses como Au Pair na Irlanda. Neste blog, eu gostaria de inspirar as futuras Au Pairs a considerar ir para a bela ilha verde pela qual me apaixonei totalmente.
 
Quando decidi ir para o exterior por um ano, já tendo sido voluntário por um ano na Alemanha ajudando refugiados, meus pais estavam um pouco céticos. Muitos de meus amigos já tinham começado a estudar há algum tempo. Entretanto, eu não tinha certeza da direção profissional que queria tomar, então decidi arriscar e realizar meu sonho de viver na Irlanda. Acabou sendo uma das melhores decisões da minha vida e estou muito agradecida por minha família me ter apoiado neste processo.
 
Como sempre fui fascinada pela música irlandesa (venho de uma família muito musical) e tenho acompanhado a interessante história da Irlanda desde os meus tempos de escola, a decisão não foi difícil. Também fiquei impressionada com as várias possibilidades que o país oferece, as paisagens verdes e a natureza quase intocada. Naturalmente, o idioma também desempenhou um papel importante na escolha do país e se mostrou muito útil para meus estudos de inglês subseqüentes na universidade.
 
Encontrei a Família Anfitriã dos meus sonhos muito rapidamente. Foi a segunda família que me foi proposta. Tive algumas conversas pelo Skype com a Host Mum, Nichola, e nos demos bem imediatamente. Então a grande aventura começou e em setembro de 2014 eu já estava no belo Condado de Kildare, em uma pequena cidade idílica a cerca de uma hora de Dublin. Era o lugar perfeito para mim, pois cresci no campo.
 
Me instalei relativamente rápido, embora tivesse que me acostumar com o sotaque irlandês, que é bastante forte no campo. No início, tinha que ouvir com muita atenção o meu Host Dad Robert para compreendê-lo. Além disso, meu sistema imunológico estava um pouco fraco devido à mudança de local e dieta, e tive que fazer várias consultas médicas no início. 
 
No entanto, minha Família Anfitriã, com o filho Jack e a filha Chloe, me fez sentir como se eu fizesse parte da família desde o início. Como resultado, a saudade de casa era quase inexistente e eu pude me engajar plenamente nesta nova experiência. Conheci rapidamente todos os avós, tios e primos que viviam na mesma cidade ou em cidades vizinhas.
 
Minha rotina diária era bastante estruturada, mas sempre tive tempo suficiente para mim mesmo ou para me preparar para o Certificado de Cambridge em inglês avançado. De manhã eu me levantava com a família e levava Chloe, a de quatro anos, ao jardim de infância. Por volta do meio-dia, preparava o almoço e pegava Chloe novamente ao meio-dia. Em torno das 14h, Jack voltava da escola para casa. Na maioria das vezes eu fazia trabalhos manuais com Chloe, pintávamos ou íamos ao jardim. As duas crianças tinham seis anos de diferença, portanto era difícil escolher atividades que ambos gostavam, mas Jack felizmente já era capaz de se manter ocupado por conta própria. Muitas vezes ele podia ser encontrado com seus amigos nos gramados ao lado de nossa casa, jogando futebol. À tarde, eu começava a preparar o jantar para as crianças, pois elas geralmente comiam por volta das 17h. Nichola tinha uma loja na cidade e geralmente voltava para casa logo após o jantar. Robert trabalhava por turnos e sempre voltava para casa em horários diferentes.
 
Às quartas-feiras, eu geralmente freqüentava a escola de idiomas na cidade vizinha de Newbridge por duas horas e depois podia aproveitar meu dia de folga. As crianças ficavam com sua avó. Depois da escola eu ia às compras (principalmente no 'Penneys', a versão irlandesa do 'Primark') ou me encontrava com minhas amigas Au Pairs para tomar um café ou um Guinness. 
 
Nos fins de semana ia fazer caminhadas nas proximidades, por exemplo, para as montanhas Wicklow (conhecidas pelos filmes 'P.S. I Love You' e 'Braveheart'), para o festival de corridas de cavalos de Punchestown (uma famosa corrida de cavalos onde havia muitas apostas) ou para Dublin. Felizmente, logo fiz novos amigos em Dublin e até encontrei um lugar para dormir no fim de semana. Dublin é uma cidade colorida, moderna e bonita. Há muitos museus para visitar, por exemplo o Museu Nacional Irlandês, o Kilmainham Gaol e a Cervejaria Guinness. Além disso, é, naturalmente, um ótimo lugar para fazer compras e aprender sobre a cultura dos pubs irlandeses. O Temple Bar é um distrito na margem sul do Rio Liffey, no centro da cidade. Aqui você pode encontrar inúmeros pubs tradicionais irlandeses com música ao vivo típica. 
 
Outras vezes fui em excursões maiores com amigos, por exemplo, a Belfast e a Giant's Causeway, Galway e a Cliff's of Moher (conhecida de 'Harry Potter'), Connemara, Killarney National Park e o Ring of Kerry. As paisagens verdes de tirar o fôlego me fascinaram totalmente! Além disso, a cultura irlandesa é perceptível em todos os lugares, na verdade cada placa de estrada tinha uma tradução irlandês-gaélico. 
 
Embora as pessoas reclamem frequentemente do mau tempo na ilha, não posso de forma alguma confirmar este preconceito. Claro, chove freqüentemente por causa do clima marítimo e da proximidade do Oceano Atlântico, mas o sol sempre sai rapidamente. O inverno na Irlanda é muito ameno e a temperatura nunca chega a menos de 0 graus. 
 
Durante os dez meses, pude fazer amigos alemães, irlandeses e outros amigos internacionais. Na mesma cidade viviam outras cinco Au Pairs, quatro delas da Espanha e uma da Venezuela. Juntos íamos ao parque infantil com nossos Host Kids, ao pub irlandês local para jogar bilhar e beber Guinness, ou fazíamos noites de cinema.
 
O que eu gosto dos irlandeses é sua natureza amigável e aberta. Em cada loja você é saudado pelo pessoal com um sorriso caloroso e as palavras: "Olá, como você está?. Se você pede orientação a alguém, se encontra imediatamente em uma conversa agradável. Minha Família Anfitriã era a epítome de uma família irlandesa. Eles estavam interessados, agradecidos, me trataram como um membro igual da família desde o início e sempre levaram em conta minhas necessidades. Eles me convidaram para assistir a reuniões familiares nos fins de semana e até mesmo a um feriado em Cork. Minha Host Mum, em particular, era um forte apoio emocional para mim, com quem eu podia falar sobre qualquer assunto. Ambos os pais me encorajaram e aprovaram, dando-me muita segurança e autoconfiança. Além disso, era importante que eles me apresentassem a cultura irlandesa e me mostrassem pratos típicos, costumes e lugares de interesse.
 
Os dez meses que passei na Irlanda definitivamente me tornaram mais corajoso, mais confiante e de mente aberta e estou muito grato por todas as experiências que pude ter lá! Sou especialmente grato à minha família anfitriã que me apoiou na minha jornada e com quem ainda hoje mantenho bons contatos.
 

Au Pair na Polônia: dicas úteispor Ewa Breza em 11 Jul, 2022Saiba mais »
Resoluções de Ano Novo como Au Pairpor Patrycja Kotowska em 30 Dec, 2022Saiba mais »
Algumas reflexões...
Deixe sua resposta:
Junte-se à nossa comunidade
AuPair.com é social - visite nossas contas de mídias sociais, junte-se à nossa comunidade e receba as últimas atualizações do mundo das Au Pairs.
Junte-se a nós
Você está ansioso para iniciar o programa Au Pair? AuPair.com o ajudará a encontrar sua futura Au Pair / Família Anfitriã.
Registe-se connosco e saiba o que podemos fazer por si:
Registe-se como Aupair Registe-se como Família